festa de herodes

pela Vintena Vadia















Às 23h11, fez-se silêncio e apagaram-se as luzes. As palmas demoraram a arrancar mas multiplicaram-se enérgicas. Era a última representação de Salomé, de Óscar Wilde, na CasaViva, pela primeira vez palco de teatro assumido. Pelos amadores da Vintena Vadia, numa encenação de Elisabeth Schuster. Oito noites em cena, entre 12 e 21 de Outubro. O espectáculo, de acesso gratuito, foi apreciado por perto de 250 pessoas. Outras não puderam assistir, porque a lotação era limitada a pouco mais de 30 espectadores por representação.






Herodes, rei da província da Judeia, oferece uma festa à sua corte feminina e, perante o olhar de todos, assedia continuamente a sua enteada Salomé. Esta vinga-se dele e do seu mundo decadente, tomando-lhe o brinquedo preferido: a profetisa judia Iokanaan, que aquele mantém prisioneira. Salomé dança para o libidinoso rei e, em contrapartida, obriga-o, publicamente, a oferecer-lhe tudo o que ela quiser. Salomé vê assim a cabeça de Iokanaan ser-lhe servida numa bandeja de prata. Mas esta humilhação de Herodes tornar-se-á a fatalidade de Salomé.

Esta a história em sete actos. Um actor e 11 actrizes em cena percorrem a casa durante hora e meia, o público atrás, conduzido por guardas de Herodes. Do jardim, escadaria acima até ao varandim sob a clarabóia, passando pela penumbra do corredor do rés-do-chão, transformado em prisão, e pela bem iluminada sala grande, palco do manjar. Os espectadores são convidados da festa simulada pela cenografia, adereços e figurinos, pela música. E, claro, pela interpretação dos actores, pela energia que transmitem numa história dramaticamente empolgante.












“O espectáculo cresceu muito”, comentava, no final da última representação, um actor profissional, que também assistiu à estreia. Foi uma grande produção, envolveu uma equipa de 19 pessoas. Uma “fantástica produção com gente amorosa, que trabalhou sem dinheiro, apenas por idealismo e com muita coragem”, como haveria de dizer Lisa, a encenadora, oriunda da Alemanha. “Quando vi o interior da CasaViva, apaixonei-me imediatamente pela ideia de usar a casa como palco para a peça”, comentara em Maio, antes de começarem os ensaios. Apesar dos seus jovens 24 anos, Salomé foi a sétima encenação de Lisa.



Há anos que Lisa queria encenar Salomé. A peça veio-lhe de imediato à ideia quando conheceu a Vintena Vadia, com tantas actrizes. À excepção de Herodes, todas as personagens se transformaram em mulheres, "to creat a one man-leaded female, violent and decadent world". Cortou algumas personagens e pequenas cenas e seguiu o texto original.

Foi a primeira encenação de Elisabeth Schuster com a Vintena Vadia. "Aprendemos muito com a Lisa, ela foi uma grande ajuda para o grupo a nível de aprendizagem, profissionalismo, disciplina", dizem os actores. O grupo, formado por finalistas de um curso livre de teatro da ESMAE, foi oficialmente constituído como associação cultural sem fins lucrativos há dois anos. Até agora, só haviam representado textos portugueses, encenados por Nuno Meireles, convidado mas que entretanto se afastou por compromissos profissionais.




Salomé absorveu a Vintena Vadia durante mais de três meses. Convidaram técnicos e o espectáculo aconteceu. Acabou, ao fim de oito representações. Ficou a vontade de repetir, na CasaViva ou numa casa parecida. E há tantas no Porto que não se arrendam nem se vendem e que podiam estar vivas, a exemplo do nº167 da praça do marquês de pombal, há ano e meio cedida, enquanto aguarda comprador. Cedida para um projecto plural, interventivo e gratuito, que a reanima e reabilita.


Salomé, de Oscar Wilde
pela Vintena Vadia - Grupo de Teatro
encenação Elisabeth Schuster
interpretação Aljusto, Andreia Mota, Ana Campos, Avelina Vieira, Carla Guedes, Cristina Freitas, Isadora Fevereiro, Luísa Barbosa, Maria José Gonçalves, Paula Dias, Rita Figueiredo, Vírginia Silva
cenografia Jonas Ribeiro e Fernanda Macedo
desenho de luz Augusto Ramalhão
figurinos Alice Assal
compositor Pedro Junqueira Maia
músico Carlos Lima-Sitar

1 comentário :

aljusto@sapo.pt disse...

Foi de facto uma experiencia k adorei e k me deu ganas de kerer mais, mais e mais...(e aprender mais.O único senão foi não ter podido empenhar-me mais para um melhor desempenho porke ao público o devemos .Mais uma vez o muito obrigado á Casaviva pelo apoio e disponibilidade,á Vintena porke é maravilhosa e á Lisa pelo k nos deu...e assim a vida tornou-se ainda mais bela !!!